Índice da Construção acelera a 0,85% em junho, após 0,40% em maio, diz FGV

Smirnova britovitzk
By Smirnova britovitzk 2 Min Read

Variação do INCC-M foi puxada essencialmente pelos custos de mão de obra, enquanto houve alívio nos preços de materiais e equipamentos

O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-M) acelerou para 0,85% em junho, ante alta de 0,40% em maio, informou nesta terça-feira (27) a Fundação Getúlio Vargas (FGV). A aceleração do INCC-M foi puxada pelo componente Mão de obra, que acelerou a 1,81%, ante 0,75% em maio.

Houve, em contrapartida, alívio em Materiais, Equipamentos e Serviços (0,06% para -0,09%). Nas aberturas, houve uma nova deflação de Materiais e Equipamentos (-0,06% para -0,15%), com destaque para o subgrupo materiais para instalação (-0,23% para -1,09%), e desaceleração de Serviços (0,64% para 0,18%), com destaque para vale transporte (4,49% para 0,31%).

As principais influências para cima sobre o INCC-M de junho foram ajudante especializado (0,51% para 2,10%), servente (1,18% para 1,43%) e pedreiro (0,42% para 2,13%), junto com carpinteiro (1,00% para 1,65%) e eletricista (0,39% para 2,23%).

Por outro lado, puxaram o resultado para baixo os itens tubos e conexões de PVC (-0,18% para -3,06%), cimento portland comum (-0,14% para -2,14%) e condutores elétricos (-0,20% para -2,51%), além de eletrodutos de PVC (0,13% para -1,90) e tijolo/telha cerâmica (0,34% para -0,27%).

Capitais
Três das sete capitais pesquisadas pela FGV em junho apresentaram acréscimo em suas taxas de variação do INCC-M: Brasília (0,17% para 1,94%), Recife (0,01% para 1,47%) e São Paulo (0,77% para 1,35%). Em contrapartida, houve decréscimo em Salvador (-0,03% para -0,10%), Belo Horizonte (0,26% para -0,14%), Rio de Janeiro (0,21% para 0,09%) e Porto Alegre (-0,01% para -0,04%).

Share This Article
Leave a comment

Deixe um comentário